sexta-feira, 16 de junho de 2017

COMBOS MÚLTIPLOS 1 ao 8

ATENÇÃO, AMIGOS, ESSE COMBO 1 (MÚLTIPLOS 1 ao 4) SERÁ A ÚLTIMA OPORTUNIDADE PARA QUEM QUER COMPLETAR A COLEÇÃO, NÃO FAREMOS MAIS O COMBO 1... ENTÃO CORRA E PEÇA O SEU... PEDIDOS ATRAVÉS DO E-MAIL: andrecarim@outlook.com OU IN BOX AQUI NO FACEBOOK...

COMBOS DO MÚLTIPLO - 1 ao 4 e 5 ao 8
OS VALORES DOS MÚLTIPLOS PARA OS COMBOS:
COMBO 1:
MÚLTIPLO 1 = R$ 8,00
MÚLTIPLO 2 = R$ 10,00
MÚLTIPLO 3 = R$ 12,00
MÚLTIPLO 4 = R$ 13,00
COMBO 2:
MÚLTIPLO 5 = R$ 14,00
MÚLTIPLO 6 = R$ 14,00
MÚLTIPLO 7 = R$ 14,00
MÚLTIPLO 8 = R$ 16,00
OS MÚLTIPLOS DO COMBO 2 TERÃO LOMBADA QUADRADA!!! QUEM VENDER OU COMPRAR 10 COMBOS GANHA 1 COMBO GRATUITAMENTE!!!
VAMOS LÁ, AMIGOS, É POR TEMPO DETERMINADO!!! VALORIZE O QUADRINHO NACIONAL, COMPRE, DIVULGUE, DISTRIBUA O PDF E PARTICIPE TAMBÉM!!!
VALORES A PREÇOS DE CUSTO COM FRETE JÁ INCLUSO PARA TODO O BRASIL!!!


segunda-feira, 29 de maio de 2017

CABAL # 4 - CLODOALDO CRUZ

Cabal # 004
Clodoaldo já anunciou que o Cabal # 005 está pronto para ser enviado, mas o fanzineiro demonstra todo gás nessa continuidade de qualidade que é o seu Cabal... Semana passada chegou o número 4, com diversas atrações, conteúdo de primeira, a começar pela bela capa de Laudo Ferreira Jr., demonstrando todo o talento de sempre... O fanzine demonstra que veio para ficar e a série Cat's City continua de primeira, com belos quadrinhos em preto e branco... Xandra, de Iório, para quem gosta de quadrinhos de guerreiros, uma aventura insólita e cheia de ação... Pequeno Mundo, de Nei Rodrigues, traz uma aventura surreal e quadrinhos bem feitos... Airton Marcelino, com sua HQ "Alucinações", desfila o talento de sempre no preto e branco, bem como na HQ "Noites de Cães", em parceria com Carlos Claudino, duas HQs de suspense... Índice Olímpico, de Marcos Franco e Sidney Falcão, demonstrando um humor legal, com belos quadros do personagem "O Arrasado"... Thanna, de All Silva, bela HQ de ficção científica, com bom enredo... O Messias, de Márcio Sennes, matando um pouco a saudade do sumido artista das belas ilustrações e HQs de primeira... Governo Górgona, de Calazans, sempre um recado inteligente do autor... Fechando a edição, mais uma aventura de Cat's City, de Clodoaldo e Carlos Rodrigo... não poderia deixar de citar as belas ilustrações de Omar Viñole (Cat's City), Hélcio Rogério (Vagante Branco), Katy Apache (de Carlos Alexandre), Romão (Gnomo), e para finalizar a edição, linda contracapa de Carlus Alexandre. Uma edição que se complementa com um encarte de opiniões dos leitores e comentários sobre edições anteriores. Quem ainda não leu, corre e peça ao Clodoaldo...

Página do fanzine: https://www.facebook.com/zinecabal/


domingo, 28 de maio de 2017

CAPA E CONTRACAPA ORIGINAIS DO MÚLTIPLO 8

CAPA: MARIANA CAGNIN
CONTRACAPA: SARA GASPAR

MÚLTIPLO 8 - JUNHO DE 2017 - EDIÇÃO DAS MULHERES!

O Múltiplo chega com mais uma edição e dessa vez de uma forma bem especial: edição totalmente dedicada e feita por mulheres! Uma forma de mostrar a força da mulher brasileira no mundo dos quadrinhos nacionais e de descobrir novas e talentosas meninas!

Múltiplo 8 Corrigido by André Carim on Scribd

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Vamos dar nome à nova personagem?

Adriana, a Agente Laranja vai ter uma arqui inimiga de peso... o nome dela ainda não foi escolhido, dentre os nomes qual deles você acha que melhor pode fazer frente ao da nossa heroína? Vote e escolha... o primeiro roteiro da personagem já está pronto, e o desenhista que se interessar em ilustrá-lo, entrar em contato in box... vamos à votação? Só para lembrar, a nova personagem é ruiva e a foto dela está logo abaixo nos comentários e na página Múltiplos!

Link para votação: https://www.facebook.com/groups/410201319362851/permalink/411423872573929/
Vamos votar, galera, a super espiã precisa de um nome... no link acima você pode escolher qual vai ser o nome dela:
AGATHA
ALLEGRA
LAYLA
GEOVANNA
MALU
CLARA

ESPECIAL ADRIANA, A AGENTE LARANJA!

EM AGOSTO: ADRIANA, A AGENTE LARANJA!!!
Um especial repleto de aventura com a loira que chegou para ficar... uma detetive sensual e cheia de habilidades... e o melhor, é você quem irá dar vida a ela... e mais ainda, pode ser uma parceria com um personagem seu... HQs, ilustrações, Pin-ups, e o que mais sua imaginação permitir, da Agente Laranja...
Alguns já confirmaram presença:
Laudo Ferreira Jr.
Omar Viñole
Glauco Torres
Marcos Gratão
Alberto de Souza
Alessandra Freitas
Rogério Rocha
Nei Lima
e o mestre, Julio Shimamoto
e você, claro, não vai ficar de fora dessa né?

Envios para andrecarim@outlook.com

segunda-feira, 22 de maio de 2017

GRUPO MÚLTIPLO E FANZINE ILUSTRADO

Meus amigos, para ficar mais fácil de baixar os Fanzines Múltiplo e Ilustrado, bem como os especiais da Agente Laranja, criei um grupo no facebook, acesse já pelo link abaixo e baixe todas as edições em PDF dos fanzines que estão movimentando o universo independente de HQs nacionais, comente, divulgue, participe, mostre o seu trabalho e distribua entre os amigos!!!

LINK DO GRUPO NO FACEBOOK: https://www.facebook.com/groups/410201319362851/

JUVENATRIX 185

Fanzine eletrônico de Horror e Ficção Científica editado por Renato Rosatti. São Paulo/SP, Ano 27, Maio de 2017. 13 páginas.Internet: www.infernoticias.blogspot.com.br e www.juvenatrix.blogspot.com.br. Peça seu exemplar pelo e-mail renatorosatti@yahoo.com.br.

CAPA: Angelo Júnior. CONTRACAPA: José Nogueira.

HORROR E METAL EXTREMO: Música: Twisted Minds / Banda: Possessed (EUA) / Álbum: Seven Churches (1985).

DIVULGAÇÕES & NOTÍCIAS & CURIOSIDADES: AI Inteligência Artificial (revista Psico Video – 1995), “À Meia Noite Levarei Sua Alma” e “A Noite dos Mortos Vivos” (comentários sobre vídeos VHS); Fanzine QI 144, de Edgard Guimarães; blog sobre Dylan Dog, de André Bozzeto Junior; Quadrinhos “Nossos Heróis” e “Vestígios da Humanidade”, de Angelo Júnior.

CONTO: “Tortura”, por Renato Rosatti.

TEXTOS DE CINEMA – Demônio, O Rei das Trevas (1988), Espíritos do Demônio (1990), A Hora do Terror (1995), A Maldição da Casa do Diabo (1979), A Maldição de El Diablo (1989), A Maldição dos Espíritos (1990), A Marca do Vampiro (1990), A Morada do Terror (1988), A Morte Veste Vermelho (1990)


Resenha publicada por Marcos Freitas no blog Atomic Editora em: http://atomiceditora.blogspot.com.br/2017/05/juvenatrix-185.html

quarta-feira, 17 de maio de 2017

ADRIANA, A AGENTE LARANJA - ESPECIAL SEGUNDA EDIÇÃO

ESPECIAL ADRIANA, A AGENTE LARANJA!
Um fanzine especial, segunda edição de HQs da personagem Adriana, A Agente Laranja, onde a sua criatividade nos levar...
Quem se aventura? Você pode enviar uma HQ de até 20 páginas (caso dê mais de 20, me avisar para reservar) com a personagem em aventura solo ou em parceria com um ou mais personagens do autor da HQ... Também poderá enviar ilustrações da personagem para intercalar com as HQs... Favor enviar um mini relato sobre o(s) artista(s) envolvidos na produção da HQ/Ilustrações... o formato do fanzine é A5 (14x21cm)... As HQs/Ilustrações podem ser tanto coloridas quanto preto e branco, fica a critério do autor...
O Fanzine será disponibilizado on-line como o Múltiplo e será dada opção de compra do impresso a preço de custo no Clube de Autores...
VEM VOCÊ TAMBÉM, PARTICIPE CONOSCO DESSE DESAFIO E DESSA AVENTURA ESPECIAL!!!
Ilustração da postagem: Adriana, A Agente Laranja e o Caçador.

Artlectos & Pós-humanos # 11: Quadrinhos como Arte - Edgar Franco (Ciberpajé)

[Lançamento] Artlectos & Pós-humanos # 11: Quadrinhos como Arte
Com o apoio irrestrito da Editora Marca de Fantasia chegamos à edição de número 11, algo inimaginável quando iniciamos o projeto da revista com sua proposta experimental iconoclasta. A ideia de inventar incessantemente novas possibilidades criativas para narrativas quadrinísticas é a marca da Artlectos e tem pautado sua trajetória. O título recebeu o Troféu Bigorna de melhor publicação de fantasia e FC em 2009 e foi apontado pelo crítico e Dr. Edgar Smaniotto como uma das 10 melhores revistas de todos os tempos em sua opinião. Saiba mais detalhes, veja um preview de páginas da revista e adquira seu exemplar no link: http://ciberpaje.blogspot.com.br/2017/05/lancamento-artlectos-pos-humanos-11.html

Lançamento - As HQs dos Trapalhões

Lançamento - As HQs dos Trapalhões - Rafael Spaca - Estronho - Ugra


O Clube Fechado - Crônica - Denison Lemos

Normalmente o mais sábio é fugir das normas, mas normalmente desenhistas e escritores tiveram momentos na infância e na juventude de uma solidão natural, não melancólica mas contemplativa da vida, do momento, do passado ou do futuro mas é recorrente ouvir histórias desses caras dizendo que não tinham uma turma, ou eram amigos de todo mundo ou não se identificavam muito com ninguém a ponto de renunciar a uma filosofia ou abraçar outra, são espíritos livres e mentes abertas de olhos contemplativos e corações compassionais.
A idéia de pertencer a um grupo sempre fez parte das grandes ambições humanas, muitos não se importam nem em estar de acordo com o que proporciona o bem a todos os seres desde que se esteja de acordo com os ideais do grupo ao qual pertencem, mais uma justificativa para a solidão consciente da qual tantos criativos fazem por companheira, uma mente livre não se prende muito tempo a nenhum conceito pois entende e aceita a impermanência das coisas.
Os grupos fazem sucesso pois representam a combinação de muitas forças em prol de um objetivo comum, quando um grupo poderoso se junta pra lutar é praticamente impossível vencê-los, os X-men, os Power Rangers ou os Cavaleiros do Zodíaco são bons exemplos... E quando o sujeito trabalha sozinho mas é muito bom tipo o Batman ou o Superman, ele se torna um líder e forma um novo grupo de seguidores ou se junta a outros caras fortes que também trabalham sozinhos e também inspiram seguidores e assim vão se formando as conexões de prestígio, de influência e poder. Mas isso não é o mais importante nas formações dos grandes grupos, ou pelo menos não deveria ser, o que justifica uma reunião de pessoas em torno de um objetivo comum é acima de qualquer outro valor , o conhecimento que é compartilhado, este e o verdadeiro poder e a verdadeira riqueza, quando mentes iluminadas se unem para divulgar, relembrar, compartilhar ou celebrar o conhecimento, dividir, somar e multiplicar as idéias de suas mente e inquietas às idéias das mentes dos seus semelhantes, envolver-se nas ideias alheias e desapegar-se das suas próprias, trocar ideias, e pra isso que servem os grupos de conhecimento
É sempre uma honra participar de uma produção editorial, ainda mais se leva o nome do meu amigo Rafael Spaca, meu parceiro de produções criativas.
Cheguei à Ugras, uma discreta loja de quadrinhos na galeria de numero**** na rua Augusta.
Chego com o evento já começado mas não vejo ninguém até que descubro que a maioria já chegou, que estou sendo aguardado e só preciso descer as escadas em espiral que levam ao andar de baixo.
O espaço é pequeno para a quantidade de pessoas, quase todos conhecidos, muitos eu já tinha desenhado mas ainda não tinha visto pessoalmente.
Paredes brancas com prateleiras pretas cheias de livros, quadrinhos e publicações das mais variadas, profissionais e independentes, consagradas e iniciantes, todas com o mesmo objetivo, contar uma boa história.
As paredes eram cobertas com desenhos em preto e vermelho, em um telão um corvo preto anuncia o início do evento, seguido de cenas da publicação que estava sendo lançada, razão desta reunião e da presença de tantas pessoas ilustres.
Aproximo-me da mesa principal e tomo meu lugar ao lado do grande homenageado e autor da obra literária que está sendo lançada no dia em questão. Cada lançamento de um novo livro é um momento mágico na infinita história do Universo e um capítulo a mais na eterna história dos homens da Terra. Se o lixo é o receptáculo da nossa história, se chafurdamos o lixo dos nossos antepassados para entender melhor o lixo no qual vivemos hoje, o que pensar de um objeto que deixa um registro histórico para as futuras civilizações em forma de livro, de documento histórico ao invés de apenas lixo, só pra variar. É perfeitamente compreensível e pouca a pompa em torno do lançamento de um livro ou história em quadrinho se comparado à estreia de um espetáculo teatral que muitas vezes foi concebido a partir de um livro, de um filme no cinema que antes precisou ser um roteiro, de um desenho animado que passou por um storyboard ou foi baseado num personagem dos quadrinhos ou ate do um lançamento do novo álbum de um astro do pop ou do Rock que antes de ser escrito e planejado, estruturado e organizado, foi imaginado e sentido por alguém que teve uma grande necessidade de compartilhar aquilo com outras pessoas, buscar o entendimento dos semelhantes ou a explicação racional dos contestadores para suas dúvidas existenciais e bloqueios criativos. Criar é abrir a porta do mundo interior das emoções, encarar os sentimentos e desvendar as mensagens que o movimento intelectual organiza, apresentar as conexões que a combinação de tantas ideias produziu.
Spaca de vermelho ao centro, tendo ao seu lado direito Bira Dantas de camisa xadrez preta e branca e eu sem prévia combinação de camiseta Branca, todos representando a dualidade da luz e das sombras no claro e escuro mas com o vermelho que é a cor do sacrifício fortemente presente naquele que dedicou seu trabalho, tempo e dedicação ao projeto, ou seja, o próprio autor.
Mas eu ainda sentia falta de alguém, uma pessoa específica com quem eu havia combinado de me encontrar nesta reunião. A atriz Zuzu Leiva que faz a Bruxa do Chocolate e viria justamente para conversar comigo e com o Spaca sobre nossos projetos em comum e eis que surge Zuzu vestida de vermelho da cabeça aos pés, como uma sacerdotisa adentrando ao grande templo do conhecimento e da produção cultural, se oferecendo como uma musa em sacrifício a um novo projeto, uma nova concretização da manifestação criativa da mente de alguém, que é a função primordial do ator, ceder o próprio corpo para que um personagem possa viver e contar ou recontar um história. A atriz estava presente.
Não é por acaso que os mistérios das sociedades herméticas geram tanto assunto entre os detentores da produção criativa, tudo o que envolve um pouco de exclusividade seduz qualquer um que ainda não tenha sido iniciado.
Para aumentar a similaridade com uma típica missa negra, após um breve bate papo de abertura de trabalhos onde ao invés de cânticos ritualísticos, foram relembrada histórias e comentadas situações pelas quais passam todos os integrantes da sociedade reunida no local e após tantas evocações e invocações, surge o grande representante de todos os presentes, o líder natural e integrante mais antigo de todos os iluminados que ali estavam, tanto novos quanto antigos. Aquele que tudo vê e sabe dizer o que é e o que nao é, como um Belzebu adentrando o recinto, Álvaro de Moya, acompanhado por seu séquito, todos o reverenciam e continuaram a cerimônia que ainda reservava mais uma curiosa surpresa, a presença da jovem autora Bárbara Nágel que juntamente com o Spaca, eu auxilio no preparo de sua publicação de estréia que se trata de nada menos que um roteiro que sugere a destruição do planeta Terra. Bárbara chega ao evento acompanhada do irmão mais novo e dos pais oferecendo a própria filha aos mistérios do mundo da produção cultural, recebida no fechado porém não tanto quanto parece, “clube”. A virgem que se transforma em musa e que de musa se tornará também uma sacerdotisa do conhecimento, levando a luz de sua criatividade aos escuros corações e mentes vazias, famintos por diversão, conhecimento e influência, todos querem um líder, todos anseiam por alguém para seguir como modelo e a presença da jovem Bárbara nesta reunião tão hermética de iluminados confirma o seguimento da tradição que é a produção de livros.
A cerimônia seguiu celebrando a criatividade, a genialidade e a luz da criação editorial. Imagino que não seja nada diferente do que acontece numa reunião de uma sociedade secreta.
Texto: Denison Lemos

Resenha retirada do blog EMT CULTURA: http://editoraemt.blogspot.com.br/2017/05/lancamento-hq-dos-trapalhoes-rafael.html

terça-feira, 16 de maio de 2017

Quadrinhos Independentes 144 (QI) - Edgard Guimarães

Está circulando o número 144 do fanzine Quadrinhos Independentes-QI, editado por Edgard Guimarães, dedicado ao estudo dos quadrinhos destacando a produção independente e os fanzines brasileiros.
A edição tem 32 páginas e traz artigo sobre o super-herói brasileiro Escorpião, criado em 1966 por Wilson Fernandes, "Conselhos" do quadrinhista espanhol José Toutain, artigo de Lio Guerra Bercony sobre a revista Oscarito e Grande Otelo, quadrinhos de Luiz Cláudio Lopes Faria e do editor, e as colunas "Mantendo contato", "Fórum" e "Edições independentes" divulgando os lançamentos de fanzines do bimestre. A capa tem uma ilustração do editor, com uma discretíssima aplicação de cor executada manualmente.
Junto à edição, os assinantes recebem Artigos sobre Histórias em Quadrinhos 6: Red Ryder, fascículo de 12 páginas com um estudo de autoria do colecionador português Carlos Gonçalves, com muitas capas de edições raras desses personagem muito popular nos anos 1930, também conhecido como Bronc Peeler.
Os assinantes recebem ainda, de brinde, o número 13 do fanzine Quadritos, editado por Marcos Freitas pela editora Atomic Books, uma edição luxuosa com 64 páginas e capas em cores, que destaca o trabalho de Elmano e traz quadrinhos de Mozart Couto, Julio Shimamoto, Calazans, Lafaiete, Edgar Franco, Guabiras, Paulo Paiva, além de muitos artigos interessantes sobre a Nona Arte.

O QI é distribuído exclusivamente por assinatura, mas sua versão digital estará disponível em breve no saite da editora Marca de Fantasia, aqui. Mais informações com o editor pelo email edgard.faria.guimaraes@gmail.com.

Resenha publicada no blog Mensagens do Hiperespaço em: http://mensagensdohiperespaco.blogspot.com.br/2017/05/qi-144.html

segunda-feira, 15 de maio de 2017

ADRIANA, A AGENTE LARANJA - SEGUNDA EDIÇÃO

ADRIANA, A AGENTE LARANJA!
EDIÇÃO ESPECIAL SOMENTE COM HQs DA PERSONAGEM!
QUEM SE HABILITA A CRIAR UMA HQ COM A AGENTE QUE TEM DADO O QUE FALAR? VAMOS LÁ, COLOQUE SUA MENTE EM PRÁTICA, CRIE UMA HQ COM A PERSONAGEM E PARTICIPE DA SEGUNDA EDIÇÃO DE HQs DA AGENTE LARANJA!!!
VOCÊ PODE CRIAR A HQ SOMENTE COM A PERSONAGEM OU COLOCÁ-LA LADO A LADO COM UM PERSONAGEM SEU NUMA PARCERIA ONDE AVENTURA NÃO PODE FALTAR!!!
DESAFIO LANÇADO... VAI PERDER ESSA?

Ilustração de Nei Lima

MÚLTIPLO E FANZINE ILUSTRADO

Quadrinhos nacionais, interatividade, muita HQ, entrevistas, artigos sobre Quadrinhos e muito mais... vem você também fazer parte deste mundo novo!!!
Junho: Múltiplo das Mulheres - Entrevistas com Mariana Cagnin, Gabriela Franco, Thina Curtis, Fabi Menassi... muita HQ, mostrando a força da mulher brasileira no mundo da nona arte!!!
Julho: Entrevista super especial com Emir Ribeiro e muitas HQs!!!
Setembro: Entrevista participativa com Bira Dantas!!!
E em novembro uma edição super especial em comemoração ao primeiro ano do Múltiplo... além de Fanzines Ilustrados especiais e autorais... vem logo, o que está esperando para fazer parte dessa família tão cheia de talento? Fanzines on-line e impressos, peça o seu já!!!

domingo, 14 de maio de 2017

Mestre é Mestre - Fanzine Ilustrado 2 - SHIMAMOTO

Uma edição histórica do FANZINE ILUSTRADO, uma edição de mestre... olha só quem já adquiriu a edição no Clube de Autores... mestre SHIMAMOTO em cores com sua obra de arte!!! E você, já foi lá garantir o seu impresso? Não? Então corre que hoje ainda tem desconto de 25%... Múltiplo e Fanzine Ilustrado, movimentando o universo de quadrinhos nacionais... vem muito mais coisa boa por aí...
FI 2 - Shimamoto, no Clube de Autores: https://www.clubedeautores.com.br/backstage/my_books/233469

sexta-feira, 12 de maio de 2017

MÚLTIPLO E FANZINE ILUSTRADO

MÚLTIPLO: Fanzine de Quadrinhos, mensal, on-line e impresso!
FANZINE ILUSTRADO: Autoral, periódico, vem aí o de Caricaturas!
Quadrinhos nacionais feitos por você... vem junto, participe e divulgue, fortaleça essas e outras publicações nacionais, um gás a mais na produção independente de quadrinhos!!!
Vem aí, em junho, Múltiplo das mulheres, a força da mulher no mundo dos quadrinhos... entrevistas, HQs, ilustrações...
Um mundo de informações ao seu alcance... entrevistas agendadas com Bira Dantas e Emir Ribeiro, entre outros... seja nosso parceiro, envie trabalhos para publicação... artigos, HQs, ilustrações...

MÚLTIPLO 8 - JUNHO DE 2017 - SOMENTE COM MULHERES! EM BREVE!!!

ATENÇÃO MULHERES QUADRINHISTAS!!!
Tá chegando a hora, vem aí o Múltiplo especial somente de vocês!!! E você, mulher, já mandou a sua colaboração? Corre que ainda dá tempo... Múltiplo todo delas... e agora, qual mulher se habilita a ter um Fanzine Ilustrado Autoral com seu trabalho?
MÚLTIPLO e FANZINE ILUSTRADO, trazendo sempre o melhor dos quadrinhos nacionais: HQs, entrevistas, artigos sobre quadrinhos e muita interatividade!!!

Projeto "TRINDADE"

Em breve: Financiamento Coletivo do projeto!

Em junho, o Financiamento Coletivo para a produção da HQ será iniciada. Os brindes irão variar deste o livro que já está impresso até uma estatueta da principal personagem! Tudo feito e assinado pelo criador do projeto. A ideia é que no final do ano a Graphic Novel deverá ser lançada em eventos como a Comic Con Experience em SP ou a Santos Comic Expo em Santos.
A obra deverá ter 115 páginas contando a história do livro Trindade, Uma Jornada Além da Morte, já publicado pela Editora Madras. Além da história, teremos também concept arts originais mostrados pela primeira vez em versão impressa.
Tudo isso para que o projeto tenha sucesso almejando sempre a versão cinematografica!
Pedidos ou informações no e-mail luizkr@hotmail.com


Leia mais: http://www.projetotrindade.com.br/news/em-breve-financiamento-coletivo-do-projeto/

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Resenha Somnium 113 - Fanzine digital

Somnium 113
Fanzine digital, 113 páginas. Publicação oficial do Clube de Leitores de Ficção Científica. Nº 113, abril de 2017. Editor: Ricardo Herdy. Layout da capa e diagramação: Marcelo Biguetti. Contato: contato@clfc.com.br – www.clfc.com.br/somnium.

Edição que chega para celebrar a simbiose homem-máquina, com contos e noveletas ambientados no universo pós-humanista, onde seres biológicos mesclados com partes robóticas são personagens comuns. Temperados com a estranheza do universo weird, tema conjunto desta edição e chegamos a um mix muito interessante aos fãs de FC.

Além de contos de Ricardo Santos (Aynin Candé), Santiago Santos (De Trilhos Enferrujados e Cachorros Mancos), David Machado (Eutanásia), Graham Brand (Loja de Peças), Gerson Lodi-Ribeiro (A Moça da Mão Perfeita), Frederico de Oliveira Toscano (Pantagruelicídio), Fábio Barreto (Quarteirão), Carlos Orsi (O Pirata Eterno), Gilson Luiz da Cunha (Um Último Dia Perfeito), Luiz Braz (Utopia Pandemia) e Paulo Elache (Madeleines & Micro-Ondas Num Dia Ensolarado Qualquer) a revista traz artigo de Edgar Smaniotto (Transumanismo: Uma Filosofia para o Futuro) e uma homengem a Max Mallmann, por Gerson Lodi-Ribeiro.

Resenha de Marcos Freitas, Atomic Editora, Múltiplo 7 e Fanzine Ilustrado 2 - Shimamoto

Fanzine de quadrinhos e informações editado por André Carim. Maio 2017,
104 páginas. Capa de Shimamoto, contracapa de Nei Lima (galeria).

Quadrinhos: Agente Laranja (Airton Marcelino e André Carim), A Fera do Subúrbio (Carlos Henry), Celéstica (GlaucoTorres), Flerte fatal (Flávio Calazans), Teresinha (Isaac Tiago) e Assassinato sem Crime (Márcio Sennes); Ilustrações: Nei Lima, Luiz Prado, Nei Rodrigues, Carlos Henry, Estevão Moraes, Anílton Freires e Daiany Lima. Na parte escrita entrevistas com Mike Deodato e Carlos Henry, artigos de Edgard Guimarães (Editores no Brasil) e Um Breve Resumo (André Carim); Fórum de Discussão (Preto e Branco ou Colorido?) e Em Destaque o trabalho do autor Fernando Marques. Ainda: Cotidianos Alterados (Edgard Guimarães) e o Coelho Nero, de Omar Viñole.

Recheado de atrações, o fanzine Múltiplo, com periodicidade mensal, cumpre com dignidade sua função de entreter os fãs de quadrinhos, especialmente os brasileiros. O grande destaque é a parte jornalística com as entrevistas e artigos relacionados à nona arte. Nas HQs ressalto as participações de Calazans e Isaac Santiago. O primeiro com a clássica Flerte Fatal e o segundo numa releitura muito particular da cantiga "Teresinha de Jesus".

Contato: André Carim de Oliveira - Rua Vicente Celestino, 56 - Bairro Santa Emília - Carangola/MG CEP: 36800-000. E-mail: andrecarim@outlook.com

Fanzine Ilustrado 2 – SHIMAMOTO
Este patrimônio dos quadrinhos brasileiros chamado Júlio Shimamoto, verdadeiro mestre desta arte que amamos, é realmente uma grande pessoa. Um ser humano da maior qualidade, generoso, amigo de todas as horas e que tenho o prazer de conviver desde meados dos anos 80. E cada vez que vejo um novo trabalho do Shima me surpreendo.

Esta coleção de ilustrações coletadas pelo editor André Carin nos traz todo o experimentalismo e versatilidade deste artista que faz parte da história dos quadrinhos. Trabalhando em materiais tão diversos como versos de papéis usados, parte interna de envelopes, azulejos, sacos plásticos e uma série de outras plataformas exóticas, o resultado é um só: criatividade. Influenciado por gente do porte de Syd Shores, Harold Foster, Alex Toth, Kubert, Salinas, Breccia, Frazzeta, Witcomb, entre outros feras, Shima em sua humildade sincera, se auto intitula simplesmente um alquimista. É mais. Shima é na verdade um apaixonado pelos quadrinhos.

Parabéns André Carin, por este belo fanzine/revista e obrigado pela oportunidade de imprimir a versão impressa do fanzine Múltiplo, serviço concluído pela Atomic Print esta semana e que começa a chegar aos leitores em breve. Não percam a oportunidade de ter em mãos este belo fanzine de HQB, com dezenas de atrações para os fãs da nona arte.



Fanzine Ilustrado - Caricaturas, Charges e Cartuns

Caricatura é um desenho de uma personagem da vida real, tal como políticos e artistas. Porém, a caricatura enfatiza e exagera as características da pessoa de uma forma humorística, assim como em algumas circunstâncias acentua gestos, vícios e hábitos particulares em cada indivíduo. Ser caricato é ser objeto de comicidade, ironia ou ter algo peculiar na face ou no corpo, levados ao exagero, à sátira jocosa ou como crítica de costumes.
FANZINE ILUSTRADO - CARICATURAS, CHARGES E CARTUNS
Vem você também participar desta divertida e questionadora edição, demonstre o seu trabalho, vem se divertir com a gente...
Envie o seu desenho para fazer companhia a grandes caricaturistas do quadrinho nacional, como BIRA DANTAS autor desta caricatura de Will Eisner!!!

quarta-feira, 10 de maio de 2017

A RAINHA PIRATA NO CATARSE - RESENHA

A RAINHA PIRATA no Catarse!

“Gisela conta à sua própria maneira esta maravilhosa história e enche as páginas com os belos desenhos de Bruno Büll. Estou ansioso para passar este livro para todos os meus amigos - e seus filhos. ”

Jim FitzPatrick. Artista. Irlanda. 2013.

A Rainha Pirata é uma História em Quadrinhos em formato de graphic novel pintada e escrita por Gisela Pizzatto e desenhada por Bruno Büll, dividindo suas 80 páginas em três capítulos.

A história se passa na Irlanda do século XVI e, em primeira pessoa, conta a história de Grace O’Malley, a mais famosa pirata que a História conhece.

A HISTÓRIA
De sangue nobre, vinda de uma das baronias irlandesas, Grace pertence a uma família de homens com tradição marinheira, mas por ser mulher seu destino está selado em terra firme. Contrariando tudo e todos, ela decide que sua vida é o mar e se traveste de grumete, conseguindo assim embarcar em um dos navios de seu pai. E é então que se inicia sua história de aventuras no mar.

Grace O’Malley foi não só uma capitã do mar, mas também uma estrategista em terra. Enquanto os ingleses tentavam impor-se de qualquer maneira na Irlanda (política e militarmente), Grace procurava fazer alianças com outros nobres de todos os modos possíveis. Casou-se duas vezes, de modo que conseguiu aumentar o número de propriedades sob seu comando e também sua influência.

Ao longo do tempo mostrou-se implacável e uma líder nata, respeitada desde os mais simples camponeses até os altos círculos nobres, mas esta graphic novel não é apenas uma história de piratas, ela fala também da linha do destino que cada um de nós segue, mesmo que inconsciente.

Seus capítulos foram pensados com base no conto da Mitologia Grega das três Parcas, as deusas do destino, que determinavam o curso da vida humana: Cloto tecia o fio da vida; Láquesis cuidava de sua extensão e caminho; e Átropos cortava o fio. As três deusas tinham tamanho poder que nem mesmo Zeus podia contestar suas decisões. Os capítulos em que esta história se divide levam como título o nome de cada uma das deusas em alusão ao sentido místico do destino que “A Rainha Pirata” carrega.

Originalmente esta graphic novel foi publicada na Irlanda, pela editora Clo Mhaigh Eo em 2013, quando também ganhou o Prêmio Nacional de Literatura em Irlandês de melhor livro do ano, na categoria “Melhor Livro Ilustrado”. No Brasil, a publicação e premiação viraram notícia no Correio Popular, na Revista RMC e diversos sites de notícia e quadrinhos.

O QUADRINHO
O volume será impresso no formato 21x29,5 cm, com 96 páginas de pura História e aventura. O interior será todo COLORIDO em papel Off Set LD 90g/m² e a capa cartonada. A pintura foi realizada de forma tradicional com tinta Aquarela.

QUEM SOMOS

GISELA PIZZATTO (Roteiro e cores)
Nasceu em Campinas-SP, em 1977. Graduada em História, mas sempre amou as Artes acima de tudo. Há dezenove anos dá aulas de Desenho e Pintura e já participou de inúmeras exposições no Brasil e no exterior. Em 2016 lançou de maneira independente “O Peso da Água”, seu primeiro mangá One-Shot.

BRUNO BÜLL (Desenho e Arte-final)
Nasceu em 1986, e é fã de super-heróis e quadrinhos desde que consegue se lembrar. Estudou Letras na graduação, trabalha como professor de desenho há 13 anos e atualmente participa como arte-finalista nos quadrinhos da MediKidz, ONG inglesa que produz histórias para pacientes infantis em hospitais.

ORÇAMENTO

Para viabilizar este projeto, optamos pelo financiamento coletivo através do Catarse.

O Catarse é um site que reúne projetos em diversas áreas com diversos fins, com o intuito de expor essas ideias às pessoas que tenham interesse em financiá-las. Ele funciona a partir de uma “meta”, que é obtida através da venda de “recompensas”. Uma vez que a “meta” é atingida, o projeto se torna realidade. Caso contrário, o Catarse devolve o dinheiro sem ônus ao financiador.

O financiamento coletivo cobrirá os custos de impressão, a produção e envio das recompensas, além da taxa de 13% cobrada pelo Catarse de todos os projetos financiados.

Endereço do projeto no Catarse: www.catarse.me/arainhapirata

Apoios até o dia 12/5.


terça-feira, 9 de maio de 2017

FANZINE ILUSTRADO CARICATURAS E CARTUNS

Já começaram a chegar as caricaturas para o Fanzine Ilustrado Caricaturas e Cartuns, e a primeira que chegou é do Ediel Ribeiro... quer ver ela completa? Se liga no Fanzine Ilustrado que vem aí... ah, e participa você também, vamos nos divertir e homenagear grandes ícones dos quadrinhos nacionais!!!

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Entrevista com CARLOS HENRY - MÚLTIPLO 7 - MAIO DE 2017

Desde quando trabalha com Quadrinhos?
Carlos Henry: Comecei no zine Ponto de Fuga, que era impresso na gráfica da UFRJ, em meados de 1989/1990. O editor era atendente de lanchonete no prédio da Escola de Belas Artes, mas eu não era aluno de lá. De forma profissional comecei em 1996, produ-zindo cartuns para a revista Coquetel, da editora Ediouro. A editora ficava na outra esquina de onde meus pais moravam.

Tem algum artista em quem se inspira?
Carlos Henry: Autores preferidos dos EUA são: An-drew Loomis (que não era do meio de quadrinhos, mas é mestre de cada 10 em 10 aspirantes à desenhis-tas), John Romita, Neal Adams, José Luis Garcia Lopez, John Byrne, Sal & John Buscema, George Pérez, Alan Davis, Brian Hitch, David Finch, Claudio Castellini, Adam Kubert e Carlos Pacheco. Dos brasileiros, Rena-to Silva, Edmundo Rodrigues, Eugênio Colonesse, Se-abra, Mozart Couto, Watson Portela, Arthur Garcia, João Pacheco, Allan Alex, Hector Gómez Alisio, Joe Bennet, Mike Deodato, Ivan Reis, Eddy Barrows, Al Rio, Adriana Melo, Ely Barbosa, Cedraz, Aluir Amân-cio, Rogério e Ridaut (os 2 que faziam a revista do Senninha), Lan, Laerte, Bira Dantas. Dos quadrinhos adultos, estilo europeu, Moebius, Enki Bilal, Philippe Caza, Leo (brasileiro radicado na França, autor de Al-debaran), Solano Lopez, Francisco Ibáñez - cartunista espanhol, autor de Mortadelo & Salaminho.

Qual seu trabalho favorito?
Carlos Henry: Com certeza, meu Lobo Guará, que foi publicado em título próprio pelo selo Escala Graphic Talents n° 16, em outubro de 2003, num arco comple-to com 3 HQs a cores. Lembrando que foi publicado antes, em janeiro/fevereiro de 2000, na revista Im-pacto - Fabricado No Brasil n° 2, da Taquara Editorial. Nesta versão, estreou em P&B, só com a HQ “Sagrado Coração da Terra”, apenas.
Qual sua pretensão com relação a Quadrinhos?
Carlos Henry: Minha pretensão é criar meus quadri-nhos de forma independente ou através da platafor-ma do Catarse. Tenho uns 6 projetos que devem usar este meio de publicação. Inclusive, com a volta do meu Lobo-Guará.

Fale um pouco do seu estilo para desenhar/produzir.
Carlos Henry: Gosto do Canson 60 gr. para desenho e do Bloco Padrão pra HQ, com aquele papel mais ace-tinado. Lápis HB, lapiseiras HB e 2b, com minas 03, 05 e 07. Só faço A4, mas, quando necessário, faço A3. Tenho mesa de luz, mas só uso quando necessário. Prefiro esboçar bem claro e definir na própria folha. Uso referências de fotos e de alguns mestres do de-senho e HQs, mas não em todas as páginas, senão, vira uma muleta e o artista se acostuma mal.

Como você vê a HQ nacional nos dias de hoje?
Carlos Henry: Webcomics e impresso: as duas formas podem existir lado a lado, porém, não acho que volte a existir uma indústria da HQ nacional, impressa, como quase foi nos anos 60. Será em pequena escala, com os independentes. As vendas ainda não são uma maravilha, mas, pode-se notar que estão caminhando. O leitor quer algo que entretenha, mesmo atrelado a clichês e com preços mais populares. Tem o formato livro, onde imperam as HQs alternativas e de autor, mas, onde o editor fica com 90% do preço de capa, de forma geral. O bom deste seguimento, é que a tiragem dura anos, enquanto houver no estoque e prateleira. E a melhor forma de apoiar a HQ nacional e comprando!
Tem algum artista que chama sua atenção?
Carlos Henry: Os que citei na pergunta 2.

Qual estilo de HQ você prefere fazer? Humor, ficção, aventura, terror ou comédia?
Carlos Henry: Terror.

Nos conte um pouco de sua trajetória com HQs de terror, tem alguma parceria? Essa parceria se resume a ilustrações? Tem HQs?
Carlos Henry: HQ de terror regional “Encontro Macabro”, que teve roteiro e desenhos meus, com arte-final do sumido Marcio Sennes. Também fizemos “A Senha”. Essa parceria poderia ter durado mais. Só não continuou porque o Márcio sumiu! Soube que ele se desiludiu com HQ e resolveu parar. Fiz uma HQ de lobisomem para o vindouro álbum “Histórias Que O Povo Conta. ”, onde também sou o editor e colaboram vários escritores e desenhistas. Gosto tanto de lobisomem, que tenho um roteiro feito pelo meu xará Carlos Patati, que estou desenhando aos poucos. Todo esse material sairá na “Fronteiras do Além”, uma coletânea com minhas HQs de terror e fantasia, com material inédito e já publicado. Aguardem...
Tem algum outro projeto em vista?
Carlos Henry: Muitos, e alguns até citei aqui nessa entrevista. Aguardem...

Voltando um pouco, o que acha de trabalhar em parceria?
Carlos Henry: Gosto muito! Um grande parceiro nas minhas HQs é o Rogério Rocha, que faz arte-final, cores e letras nas minhas HQs e ilustras. Ele consegue somar no meu traço, porém, mantendo a personalidade original. Poucos conseguem isso. Também gosto de fazer parcerias com escritores brasileiros de HQs dos anos 70-80 que foram os meus preferidos.

Algum outro trabalho te chamou a atenção?
Carlos Henry: “O Olho do Diabo”, de Mozart Couto, publicado pela Nova Sampa, em 1993. A HQ foi produzida em 1986, publicada na Europa. Muita influência de “Grande sertão Veredas”, obra de Guimarães Rosa.
Como você acompanha o mercado alternativo de fanzines e revistas nacionais?
Carlos Henry: Acompanho pelo Facebook e Blogs.

Qual personagem criado por você é o seu favorito?
Carlos Henry: O Lobo-Guará, sempre!

Como é produzir e-HQs? Conteúdo on-line vem tomando conta do cenário, como você vê essa forma de produzir?
Carlos Henry: O Brasil ainda está caminhando em termos de um público de HQs online. O brasileiro ainda gosta muito de ler o material físico, mas vejo um bom futuro para mídias de conteúdo online.
Você me falou uma vez que coleciona gibis? Qual estilo você gosta de colecionar?
Carlos Henry: Gosto de terror, super-heróis brasileiros, encadernados Marvel e DC dos anos 70-80 e HQs de autor, independentes.

Quem, para você, pode ser considerado um ícone dos quadrinhos?
Carlos Henry: Uma resposta impossível para esta questão, mas arrisco Will Eisner.

Qual artista está em alta no universo alternativo?
Carlos Henry: Do meio mais alternativo, de autor, gosto dos trabalhos de Shiko, Kipper, Caeto, Marcelo D’salete, Roger Cruz...

Sobre o que gosta de ler? Produz algum artigo, texto, resenha?
Carlos Henry: Ficção Científica, terror, suspense...
Poderia falar de novos artistas? Dos antigos, quem inspira você? Quem pode ser considerado “o cara” atualmente?
Carlos Henry: Já os citei.

Carlos Henry por Carlos Henry?
Carlos Henry: Um cara que gosta de ler HQ comerciais e alternativas, e que desperta tanto simpatia como antipatia, por falar o que pensa, sem falsidade.

HQs ou tiras? Qual a sua preferência?
Carlos Henry: HQs.

Onde podemos encontrar trabalhos seus?
Carlos Henry: Cara, no momento produzo comissions e os meus projetos estão por vir.

Já lidou com a produção de fanzines?
Carlos Henry: Participei muito de fanzines e revistas alternativas… Mancha Gráfica, Heróis Brazucas, Profecia, Impacto-Fabricado No Brasil, Le Bouche Du Monde (França), Voyeur, Farpas do Abismo, Ácido Ofício, Mandala, Tchê, Cabal, Phobus, Pesadelo, BD Jornal (Portugal), Almanaque Meteoro, Prismarte, Quadrix... editei o personagem de Marcelo Tomazi, o zine Caçador-Atos de Vingança.
Como começou a desenhar?
Carlos Henry: Desde os 6 anos, quando meu pai voltava do trabalho e, eventualmente, trazia gibis do Batman e Capitão América para mim e meu irmão gêmeo, Beto, lermos. Depois de alguns anos, cheguei a ter uma coleção quase completa de Heróis da TV e Capitão América. Desde pequeno eu rabiscava cenas de filmes de ficção científica, terror, o seriado dos anos 60 do Batman, piratas, dinossauros... depois, com uns 13 anos, passei a criar super-heróis, com muita influência da DC e Marvel. Comecei em 1989/90 a publicar no fanzine Ponto de Fuga, O editor era um atendente de lanchonete que ficava no andar da Escola de Belas Artes, na UFRJ, chamado Paulo Henrique. Ele e outras feras participavam, alunos de lá ou não.

Considera seu trabalho crítico? Por quê?
Carlos Henry: Olha, eu não acho crítico o que faço com HQ de terror. Porém tenho minhas HQs mais intimistas, que nada tem a ver em contexto ou esteticamente com meu habitual, e que está em meus planos produzir. Umas delas são adaptações de poemas de Augusto dos Anjos.
Já publicou profissionalmente?
Carlos Henry: Profissionalmente foi em 1996, produzindo cartuns para a revista Coquetel, da Ediouro, indo depois para a editora Universal em 2000, criando ilustrações para revistas, livros, papéis de carta, etc. Em 1999, ganhei Menção Honrosa no Salão de Banda Desenhada & Cartoon de Moura, em Portugal. Montei em 2001 uma Oficina de Quadrinhos no projeto Criança Petrobrás, da ONG CEASM, no Rio de Janeiro. Em 2002, publiquei pelo selo Graphic Talents da Editora Escala, o meu Lobo-Guará. Mudei para Paraíba em 2003, de onde fiz ilustrações para livros de RPG para as editoras estrangeiras Mongoose Publishing, Elemental Lands e Goodman Games. A partir de 2006, iniciei nos EUA, com HQs para Argo Comics, desenhando Death Squad e Paladins (Argo Comics), seguido de Archers Team (Chameleon Studio, apenas uma Pin-Up para um evento de HQ nos EUA e ainda levei calote), Satan’s Fawn (Chiamera Comics, uma mini-série de 4 edições que desenhei apenas 1 edição, que sumiram sem nem me pagar) e capas para Nuclea, Wyldfire e D-Frost (12 Comics). Hoje sou editor da revista Argo Comics Double-Shot, a sair pela Argo Comics. Tb faço pinups para venda no EBAY, através do Ed Benes Studio.

Se já, o que e onde? Acha que vale a pena trabalhar com quadrinhos?
Carlos Henry: Eu acho que vale a pena, sim. Não temos um mercado industrial, mas, melhorou bastante! Hoje temos lançamentos e eventos variados só de HQ nacional, algo impensável anos atrás.

O que falta para se ter um Quadrinho Nacional organizado e valorizado?
Carlos Henry: Alguém que invista e pense de forma empresarial no mercado, como fez Mauricio de Souza com sua Mônica e companhia.

O que você busca de HQ on-line?
Carlos Henry: Tempo está curto, mas, acho interessante o que a Capa Comics e Petisco editam online ou impresso.
Tem alguma sugestão de entrevista para o Múltiplo?
Carlos Henry: Allan Alex, Cesar Lobo, E.C. Nickel, Elmano, Watson Portela, Caeto, Roger Cruz (o seu lado autoral) ...

Tema livre. Se quiser falar sobre algum outro trabalho ou projeto.
Carlos Henry: Já falei por alto durante esta entrevista. Aguardem...
"Recado: VALORIZEM E DIVULGUEM O QUADRINHO BRASILEIRO! Marvel e DC já possuem uma forte campanha de marketing e publicidade, além do que, os fãs dos EUA divulgam. Como quadrinista que sou, não divulgo ou curto nada dos gringos no Facebook, só HQ brazuca. Quem precisa de divulgação são nossos quadrinhos, que carecem disso! Para quem acha errado, dou um exemplo: vocês veem a Dolly divulgando a Coca-Cola? Pois é...
Mini currículo. Nos envie um breve currículo da sua trajetória no universo de HQ.

Carlos Henry
Nascido em 1972, no Rio de Janeiro, Carlos Henry é desenhista, cartunista e crítico de HQ, tendo começado em 1989/90 a publicar no fanzine Ponto de Fuga, produzido na UFRJ, participando depois de vários outros fanzines.
Profissionalmente começou em 1996, produzindo cartuns para a revista Coquetel, da Ediouro, indo depois para a Editora Universal, em 2000, criando ilustrações para revistas, jornais, livros, papéis de carta, etc. Em 1999, ganhou Menção Honrosa no Salão de Banda Desenhada & Cartoon de Moura, em Portugal. Seus trabalhos mais importantes foram publicados nas revistas Historieta, Impacto-Fabricado no Brasil e La Bouche du Monde (França) e no jornal O Cidadão. Montou em 2001 uma Oficina de Quadrinhos no projeto Criança Petrobrás, da ONG CEASM.
Em 2002, publicou pelo selo Graphic Talents, da Editora Escala, seu personagem Lobo-Guará, um super-herói tipicamente brasileiro, lembrado até hoje por fãs e entusiastas das Histórias em Quadrinhos Brasileiras.
Mudou-se para a Paraíba em 2003, de onde fez ilustrações para livros de RPG da editora inglesa Mongoose Publishing: Elemental Lands e Goodman Games. Seguidamente, fez Histórias em Quadrinhos para os personagens Death Squad, Paladins (Argo Comics), Archers Team (Chameleon Studio), Satan’s Fawn (Chiamera Comics) e capas para Nuclea, Wyldfire e D-Frost (Twelve Comics).
Mais recentemente, publicou nas revistas Quadrix, Prismarte, Almanaque Meteoro e BD Jornal (Portugal). É responsável pelo estúdio Desearte, de artes gráficas 2D e 3D, que atende para Brasil e exterior e editor do selo de Webcomics Excelsior, para publicação nos EUA. Nesta, além de outras séries, publica sua webserie em 5 partes “City of Dreams”, com coautoria do escritor Ron Fortier. Criador do mangá Eco Teen, uma Webcomics voltada para o público infanto-juvenil, com heróis defensores da ecologia.
Lançou seu selo Excelsior BR. Com Panteão, Alma e Rasga Mortalha, publicados antes no site NHQ.
Desenhou Aranha Negra e publicou HQs de terror de gaveta em Spektro e Stigma. Atualmente, é editor da revista Argo Comics Double-Shot, da editora americana Argo Comics e desenha comissions que vende pelo EBAY.
TRABALHOS NA INTERNET:
www.carloshenry.blogspot.com
www.carloshenry.deviantart.com
http://excelsiorwebcomics.blogspot.com.br/